LinkedIn: aprenda como usar essa ferramenta e crescer na carreira

Criou um perfil no LinkedIn, mas não está vendo resultados? Esse guia vai te ajudar a se destacar entre os candidatos e a encontrar a vaga dos sonhos

1 706

    mulher-digitando-celular-smartphone-aplicativo-linkedin

    Não faz muito tempo que eu escrevi uma matéria especial explicando a importância e o poder do networking – a famosa rede de contatos profissionais, feita inclusive, nas redes sociais.

    O famoso ditado de que “não é visto não é lembrado” continua sendo uma verdade e ainda não existe forma mais eficaz de subir na carreira ou conquistar aquele emprego dos sonhos se não fazendo parte de um círculo de pessoas que atuem a mesma área (e em áreas complementares!) a sua ocupação e se mantendo sempre ligada a qualquer novidade ligada ao seu tipo de negócio. Assim, você sabe o que acontece ao seu redor, conhece outros profissionais, mostra seu potencial e, de quebra, fica sabendo de novas vagas.

    É por isso que redes sociais voltadas exclusivamente para o campo profissional, como é o caso do LinkedIn, fazem tanto sucesso. Nela, você pode incluir todos os itens do seu currículo, contar suas experiências na carreira, receber recomendações de colegas, trocar mensagens…

    Essa ferramenta se tornou tão popular que muitos recrutadores pedem o seu perfil no LinkedIn na hora de fazer seu cadastro no RH. Se você ainda não faz parte dessa rede social, ou se já criou um perfil, mas ainda não colheu frutos da experiência, pode ser que ser currículo não esteja chamando tanto a atenção como deveria. Por isso, preparei um guia fácil para você acertar em cheio na criação do seu perfil, chamar a atenção de diferentes empresas e conseguir o emprego dos sonhos rapidinho. Anote aí!

    1. Atualize suas informações e participe de grupos de discussões: de acordo com a inglesa Ladan Nikravan, coach de carreira do Career Builder, isso permite que você conheça profissionais e receba insights sobre sua área. Mas procure participar apenas de grupos do seu interesse. Nada de falar do que não entende.

    2. Inclua uma foto não tão formal: sabia que perfis com fotos são 14 vezes mais vistos? Mas a foto não precisa ser estilo 3×4! Leve em conta o tipo de trabalho que você tem e a sua identidade. Será que você precisa se retratar de maneira tão formal?

    3. Adicione quem você gostaria de trabalhar, mesmo que vocês não se conheçam: vocês nem precisam ter amigos em comum. Você pode adicionar marcas, empresas ou CEOs com quem gostaria de trabalhar, desde que tenha cuidado ao enviar mensagens. Nelas você deve apenas destacar seu interessa na empresa ou na vaga específica, anexar seu currículo e propor uma reunião ou um café. Lembre-se de que menos é mais e que ninguém gosta de pessoas pegajosas.

    4. Defina bem sua profissão: é fundamental deixar claro o que você faz para que os recrutadores busquem exatamente o profissional que eles precisam. Você também pode por um slogan que defina sua personalidade.

    5. Tenha perfis em mais de um idioma: o LinkedIn oferece a possibilidade de você abrigar perfis em línguas diferentes dentro da mesma URL. Você só precisa clicar na opção “Ver perfil como” e selecionar a opção “Criar perfil em outro idioma”. Aí o próprio site vai espelhar as informações atuais e você precisa traduzi-las.

    20170310163309_660_420

    6. Personalize sua URL: ao customizar o link com seu nome profissional, você ganha uma assinatura e sobe nas pesquisas. Para editar, selecione o ícone de ajuste ao lado da URL e crie seu nome profissional.

    7. Escolha com cuidado sua foto de fundo: nada de colocar imagens de viagens, festas ou fotos com amigos. Prefira ambientes neutros, como seu escritório ou livros.

    8. Seja sucinta: na hora de fazer um bom resumo o mais indicado é pensar de forma simples. Que tal tentar imaginar como você responderia se um recrutador pedisse pra saber um pouco mais sobre você?

    9. Use e abuse dos recursos audiovisuais: ainda mais se você trabalhar com arquitetura ou design. É bom também atualizar os arquivos de vez em quando, assim não parece que seu perfil está “parado”.

    10. Responda todas as mensagens que receber: mesmo se a empresa informar que não há vagas no momento ou que você não tem o perfil necessário, agradeça a atenção. Vale a pena, inclusive, retomar o contato e lembrar que você continua disponível dali a quatro meses.

    11. Saia do online: depois de fazerem um primeiro contato via LinkedIn, marque um encontro sem compromisso para um café. Esse é o momento perfeito para aprofundar a conversa.

    business-collaboration-56a831c03df78cf7729cf0e8

    12. Mantenha contato com colegas de empregos anteriores: mas só com aqueles com quem você tinha uma boa relação. Peça indicações nas empresas que eles trabalham no momento.

    13. Atualize seu perfil informando a data de saída do emprego anterior: alguns recrutadores recomendam, inclusive, acrescentar a frase “aberta a novas possibilidades” logo abaixo do seu nome.

    14. Preencha o máximo de campos: inclusive o que perguntam sobre projetos voluntariados e organizações filantrópicas. Sabia que as empresas também ficam de olho nessa parte?

    15. Só exponha habilidades que você realmente tem: a recomendação entre amigos se tornou banal e já não é mais usada como critério na hora da decisão.

    16. Interaja com suas conexões: mande parabéns por um novo emprego, por exemplo. Isso faz parte da construção de um bom relacionamento e sua gentileza pode até ser vista como um diferencial e gerar frutos.

    17. Explore o Slideshare.net/LinkedInBrasil: o site mantém uma página com diversos recursos para download, inclusive tendências de mercado e guias de uso. São super úteis!

    18. Faça uma boa limpeza de tempo em tempos: uma pesquisa realizada pela empresa Career Builder descobriu que 45% dos empregadores usam ferramentas como o Google para investigar potenciais candidatos, por isso é fundamental checar a cada seis meses como anda a sua imagem online pesquisando o que aparece se alguém digitar o seu nome no campo de buscas.

    Dicas anotadas?

    Bjs,
    Fabi Scaranzi

    *Fonte: exame.com / claudia.abril.com.br