Fechar
Fabiana Scaranzi
Menu
 1674
Os melhores lugares do mundo pra pedalar

Se você adora pedalar, como eu, e quando pensa em viajar para fora do Brasil considera importante o fato de os lugares visitados terem boa infra-estrutura para usar a magrela como transporte, ou lazer, além de oferecer bicicletas de aluguel e contar com um grande número de usuários, é bom se ligar na lista dos destinos mais agradáveis aos turistas sobre duas rodas.

copenhagen2

Agora, no meio do ano, saiu novo ranking das 20 melhores cidades do mundo para se andar de bicicleta no Copenhagenize Index of Bicycle Friendly Cities 2015. Todos os anos, a Copenhagenize Design Company, uma empresa de consultoria e comunicação especializada na promoção do uso da bicicleta em âmbito mundial, elabora um ranking das melhores cidades para ciclistas do mundo, analisando fatores como a infraestrutura, a segurança para os ciclistas, e a aceitação social e política da prática. O levantamento começou a ser feito em 2011, entre 80 municípios internacionais. Neste ano, o número foi mais elevado, foram consideradas 122 cidades, todas com mais de 600.000 habitantes.

alx_copenhagen-20130606-05_original

A capital dinamarquesa foi escalada como a “cidade dos sonhos” para os ciclistas, e nenhuma cidade brasileira obteve colocação entre as 20+. A novidade, entre os melhores lugares do mundo para se pedalar, foi a inclusão, pela primeira vez, desde 2011, de uma cidade norte-americana, com a indicação de Minneapolis, em 18º lugar. Foram aplicados 13 critérios diferentes para escalar os melhores lugares, entre eles a infraestrutura das ciclovias e planejamento urbano e programas de aluguel de bicicletas. Os países com maior número de cidades eleitas foram a Holanda, a França, a Alemanha e a Espanha. Portanto se você está planejando uma viagem onde a bike seja uma companheira inseparável, pode começar a traçar sua rota e confira aqui as cidades e suas colocações:

BikesCopenhagen

1. Copenhagen, Dinamarca
Apesar de ter ficado em 1º lugar, Copenhagen ainda pretende melhorar seus índices. A população que utiliza a bicicleta como meio de transporte corresponde a 45%, e eles pretendem atingir a marca de 50% de usuários para o próximo senso. Na capital dinamarquesa, as pessoas pedalam para ir à escola, ao trabalho, à padaria perto de casa e até mesmo para sair à noite e tomar alguns drinks. Se achou impressionante, saiba que a expansão de projetos voltados às magrelas é constante. Quatro novas pontes para bicicletas que atravessam grandes rodovias estão a caminho e atenção especial é dada à integração entre as bikes e outros modais, como os ônibus.

alx_amsterdam-20120610-02_original

2. Amsterdã, Holanda
A capital holandesa já esteve no topo do ranking, mas parou de inovar. Mais da metade dos moradores de Amsterdã usa as bikes como principal meio de transporte nos seus deslocamentos diários. As ruas da cidade são todas adaptadas para o tráfego sobre duas rodas, com ciclovias, corredores compartilhados, postos de aluguel e de guarda e até sinais especiais. Tudo isso faz de Amsterdã o segundo paraíso mundial para as magrelas.

alx_utrecht-20141114-03_original

3. Ultrecht, Holanda
Outra cidade holandesa na lista é Utrech, a quarta maior do país e o terceiro melhor destino para se pedalar. A cidade serve de exemplo para os pequenos municípios do mundo que buscam promover a cultura das magrelas. Ousada, Utrech está construindo o maior estacionamento para bicicletas a céu aberto de que sem tem notícia, com mais de 12 mil vagas. Além disso, os cerca de 640 mil moradores da região metropolitana desfrutam de uma generosa rede de infraestrutura para bicicletas.

alx_strasbourg-20100712-04_original

4. Estrasburgo, França
Andar de bicicleta em Estrasburgo é, muitas vezes, a maneira mais rápida de chegar de um lugar ao outro. Atualmente, as bicicletas repondem por 15% dos deslocamentos diários no centro da cidade e a 8% na área metropolitana. A exemplo de outras cidades nesta lista, tal participação resulta dos esforços de uma geração de planejadores urbanos que insistiram nas magrelas como meio de transporte.

alx_eindhoven-20071222-06_original

5. Eindhoven, Holanda
Outra cidade holandesa a marcar presença no Top 20 é Eindhoven, na quinta colocação. E foi a inovação que a colocou lá. Exemplo disso é a construção do visionário Floating Roundabout, uma ponte estaiada de forma circular, criada especificamente para as magrelas.

alx_malmo-20100720-07_original

6. Malmo, Suécia
Sexta colocada no ranking, a sueca Malmö toma como exemplo a dinamarquesa Copenhague. Uma inovação que não passa despercebida foi a criação de vias exclusivas para magrelas com direito a nome próprio, o que a facilita a localização por GPS.

alx_nante-20140930-11_original

7. Nantes, França
Nantes embarcou em uma jornada impressionante. Enorme vontade política é a chave para a mudança de paradigma na cidade e sua área metropolitana. Um plano municipal, criado em 2009, movimentou investimentos da ordem de 40 milhões de euros até 2014. Resultado: a cidade aumentou sua infraestrutura cicloviária para cerca de 400 km.

bordeaux_bikecation_1-625x449

8. Bordeaux, França
Mundialmente conhecida por seus vinhos, a cidade de Bordeaux, na França, vem chamando atenção por outro motivo. Ela foi eleita o oitavo melhor lugar para andar de bicicleta no mundo. Segundo a Copenhagenize, a cidade tem investido de forma brilhante em ciclovias e ciclofaixas.

Antuerpia

9. Antuérpia, Bélgica
Antuérpia é a melhor cidade na Bélgica para andar de bicicleta. Há amplos estacionamentos ao redor da cidade e da estação de trem local, e o uso da bicicleta como transporte é abraçado por todas as idades e classes sociais. Como em qualquer outro lugar, a cidade ainda enfrenta desafios de urbanização, mas está achando boas saídas pra quem escolhe a bicicleta como meio de transporte.

Sevilha2

10. Sevilha, Espanha
A capital da Anadaluzía, na Espanha, já foi chamada de “garota-propaganda do planejamento em prol das bicicletas”. A partir de uma cota modal de meros 0,5% em 2006, as magrelas da cidade agora possuem 7% de participação modal. O rápido aumento do tráfego de bicicletas deve-se à visionária vontade política. A transformação foi rápida, intensa e positiva. Seu sistema de compartilhamento de bicicletas desempenhou papel central nessa revolução.

Barcelona

11. Barcelona, Espanha
Barcelona subiu no ranking deste ano, mostrando que compromisso firme e consistente compensa. A promoção das magrelas na cidade ganhou força com o Bicing, o programa de aluguel de bicicletas lançado em 2007 e que já conta com mais de uma centena de pontos espalhados pela cidade. A cidade conta ainda com uma ciclovia que rodeia toda a área metropolitana da cidade, chamado de “anel verde” e possui mais de 3 mil vagas de estacionamento para bicicletas nas ruas e garagens subterrâneas.

Berlim

12. Berlim, Alemanha
Berlim tem o mesmo pragmatismo em relação ao tráfego de bicicletas que outros paraísos dos ciclistas, como Amsterdã e Copenhague. A maior cidade da Alemanhã é uma das top15 do mundo para andar de bicicleta. A exemplo das demais, uma de suas vantagens está na topografia. Berlim é plana. Em alguns bairros, a cota de participação das magrelas nos deslocamentos da população chega a 20%.

ljubljana

13. Ljubljana, Eslovênia
Ljubljana é uma cidade nova no Índice da Copenhagenize. Mas a promoção das magrelas por lá remonta aos idos dos anos 1970. Hoje, o modal tem 12% de participação nos deslocamentos da população, que dispõe de mais de 200 km de ciclovias. Fortes movimentos políticos trabalham para que Ljubljana se estabeleça como um grande exemplo mundial sobre as duas rodas.

buenosaires

14. Buenos Aires, Argentina
Buenos Aires conseguiu se modernizar para incluir as bicicletas no seu planejamento de transporte. Nos últimos três anos, mais de 140 km de infraestrutura cicloviária foram implementados juntamente com um programa de compartilhamento de bicicletas. Segundo a Copenhagenize, a única concorrente para a capital portenha é o Rio de Janeiro, que ficou fora do top20 este ano, mas continua no Top30. Claro que nem tudo são flores. Como em muitas culturas de bicicleta emergentes, fotos de obstáculos nas ciclovias da cidade se multipilicam na internet.

_dublin

15. Dublin, Irlanda
Em décimo quinto lugar do ranking, aparece Dublin, na Irlanda, que tem um dos programas públicos de aluguel de bicicletas mais bem sucedidos na Europa, o Dublinbikes. Criado em 2010, o sistema já registrou mais de 10 milhões de viagens e 50 mil inscritos no programa. Pelo menos 10% da população usa a bicicleta como principal meio de transporte nos deslocamentos diários na região central. O desafio agora é expandir os projetos de infraestrutura cicloviária para toda a cidade, que enfrenta uma crescente urbanização.

VIENNA1

16. Viena, Áustria
Viena decretou em 2013 o seu ano nacional da bicicleta e desde então passou a investir pesadamente em infra-estrutura para o transporte em duas rodas. Em pontos determinados, faróis de trânsito equipados de detectores são programados para dar prioridade aos ciclistas, de modo que não precisem interromper seus trajetos. A cidade subiu no ranking para 16º lugar, quando diante de um tráfego crescente, além de níveis de poluição nada invejáveis e o custo crescente dos combustíveis, decidiu aprender com outras capitais ciclísticas a apostar na cultura da bicicleta.

Paris-bike

17. Paris, França
A capital francesa já esteve melhor ranqueada e caiu alguns postos por ter estacionado a construção de ciclovias, mas ainda assim é um belíssimo lugar para se pedalar, com uma vasta rede de aluguel de bikes e velocidade reduzida para automóveis, para uma convivência urbana mais segura e harmoniosa.

minneapolis2

18. Minneapolis, Estados Unidos
O Rio já ocupou exatamente essa posição no ranking das cidades mais amistosas do mundo para se pedalar em 2011, acontece que Minneapolis tem investido muito mais nos projetos ciclísticos urbanos. Como durante a estação mais fria as ciclovias que não estão próximas as ruas são rapidamente cobertas pela neve, a cidade converteu as ruas – que antes eram exclusivas para os automóveis – em espaços para os ciclistas. Hoje Minneapolis já conta com 148 quilômetros de ciclovias e 136 quilômetros de ciclo-faixas nas ruas. Durante os meses de verão os ciclistas podem visitar os lagos da cidade que são conectados aos bairros através de uma vasta rede de ciclovias.

HAMBURG_pin

19. Hamburgo, Alemanha
Segunda maior cidade alemã, Hamburgo é dotada de muitas ciclovias. Como outras metrópoles alemãs, conta com um bem desenvolvido sistema de VLTs e trens urbanos, além da sinalização específica preferencial para ciclistas e pedestres. E muitas, muitas bicicletas. Para alugar, vender e trocar. Se você quer um destino onde um biker é bem-vindo e respeitado você vai gostar deste lugar

BIKING0615-montreal

20. Montreal, Canadá
No Canadá, várias cidades oferecem boas condições de locomoção usando a bicicleta, mas Montreal, em Quebec, sempre esteve à frente das demais. O verde faz parte da cidade. Seja na oferta de mais de 120 parques de todos os tamanhos, propícios para todo tipo de atividade e o ciclismo é a número 1, que se estende pelas ruelas verdes que formam corredores com plantas em bairros residenciais. Além de diminuírem as ilhas de calor, as ruas ecológicas criam também um cenário quase bucólico bem no meio da metrópole e rende passeios inesquecíveis. Montreal tem centenas de quilômetros de ciclovias e mais de cinco mil bicicletas disponíveis para aluguel.

Então, chegando ao seu destino, alugue sua bike e curta muito! Quem sabe a gente se encontra por aí?

bj pra vcs
Fabi Scaranzi

*Imagens: Google. Caso a foto seja de sua autoria, por favor nos comunique para darmos os devidos créditos


VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR DISSO
FAB PRODUÇÕES
BIOGRAFIA
PALESTRAS
APP VIVO MULHER
  • Mulheres muito além do salto alto
  • Albert Einstein
Fabiana Scaranzi
© Copyright 2017 - Fabiana Scaranzi. Todos os direitos reservados. O conteúdo deste site não pode ser reproduzido, distribuído, transmitido ou usado, exceto com a permissão prévia por escrito. Site by Miss Lily

Fabiana Scaranzi

Site feminino, com notícias, beleza, moda, saúde e bem-estar.

Coaching, Viagens, Vídeos, Como Fazer, Mundo Scaranzi

Por Fabiana Scaranzi

Miss Lily Comunicação