Fechar
Fabiana Scaranzi
Menu
 16216
Como sair de um relacionamento destrutivo
Anos em um relacionamento nem sempre significa um relacionamento feliz. Seja amoroso, familiar ou até mesmo com amigos, uma relação passa a ser abusiva quando o outro toma as rédeas da sua vida. Aprenda aqui a não deixar que isso aconteça novamente

Couple-fighting

Já reparou que muitas vezes, o relacionamento está tão condicionado a rotina que você nem percebe que já não é mais feliz? O medo de ficar sozinha, a carência ou a baixa autoestima impedem você de dar um basta e partir para outra. “Muitas mulheres não cortam os laços desses relacionamentos por não terem autonomia financeira para seguirem a vida sozinha. Outras acreditam que estão passando apenas por uma fase e que, em breve, o outro mudará suas atitudes para melhor, o que na maioria das vezes não acontece”, explica a psicóloga de São Paulo, Marisa de Abreu.

No casamento
Muitas mulheres consideram o abuso, principalmente quando motivado pelo ciúme, uma prova de amor, mas se a situação foge do controle e o parceiro passa a controlar suas conversas no telefone, suas amizades, seus gastos no cartão e até mesmo sua relação com a família, chegou o momento de conversar, impor regras e apresentar consequências, ameaçando inclusive por um ponto final na relação.

Nas amizades
Sua amiga vive pedindo dinheiro emprestado, se mete no seu relacionamento e toma a maioria das decisões por você? Para Marisa, o que muitas vezes impede o fim de certas amizades, é o medo de não fazermos novos amigos. Se esse é o caso e a amizade em questão é importante para você, o melhor é avaliarem juntas a qualidade da relação em que estão envolvidas. Existe a possibilidade de reverter os momentos abusivos com conversas ou o prejuízo vai além do aceitável?

Na família
Muitos parentes, principalmente os mais próximos, acreditam na falsa crença de que o outro não se abala com palavras e atos invasivos. Filhos costumam ver os pais como super-heróis e acham que jamais ficarão chateados com descargas emocionais ou abusivas, afinal, já foram tantas noites sem dormir por causa deles, né? Mas isso não torna os pais imunes a qualquer dor. E o mesmo acontece quando os pais, ao alcançarem uma certa idade, esperam que os filhos vivam em função deles 24 horas por dia. “Toda relação entre parentes pode e deve ter limites”, diz Marisa. Mesmo vivendo em conjunto, é preciso lembrar que cada um tem a sua vida pessoal e deve sempre colocar seus problemas e necessidades como prioridade.

como-ter-um-relacionamento-perfeito-seguindo-7-conselhos4

Livre-se dos relacionamentos abusivos em 3 passos

Aumente a autoestima
Você precisa aprender a se sentir merecedora, querida e respeitada dentro de uma relação, sem ser ameaçada, seja física ou verbalmente. Para isso, pergunte a si mesmo em voz alta: “Eu posso viver algo diferente disso?” De acordo com Marisa, quem tem baixa autoestima costuma considerar os desejos dos outros mais importantes que os seus. “Isso, a longo prazo, gera mágoas e a tristeza, aos poucos, ocupa o lugar do afeto.” Pegue uma folha de papel e divida ao meio. De um lado, coloque tudo o que machuca e incomoda na relação. Do outro, os motivos pelos quais você é feliz com ela”. É nesse exercício que você avalia se ela faz bem ou mal para você e, principalmente, pelo o que vale a pena lutar.

Abra mão do comodismo
Se o problema for em um relacionamento amoroso, a terapeuta sexual de São Paulo, Arlete Gravanic explica que muitas mulheres se mantêm em relacionamentos destrutivos porque sabem que toda separação gera perdas, seja de espaço, segurança ou patrimônio e ressalta a importância da inteligência emocional antes de romper a relação. “Procure um lugar para ficar, um novo emprego, a garantia e apoio familiar para o momento em que decidir dar um basta no relacionamento.” Ter uma nova vida já planejada ajuda a tomar a coragem que você precisa para dar um passo tão importante: o de assumir que o casamento acabou!

Chega de carência
A pessoa carente acredita que ganhou a sorte grande ao encontrar alguém que queira sua companhia. Tanta gratidão e medo da solidão a fazem relevar os momentos negativos ou a considerar menos penoso sofrer ao lado de alguém abusivo do que se ver, possivelmente, sozinha.

Algumas relações – sejam afetivas, amigáveis ou familiares – podem ser revistas, mas tem que ser um desejo dos dois. “Nesse caso a terapia, em dupla ou individual, pode ajudar a equilibrar a relação novamente”, diz Arlete. O importante é não deixar que o relacionamento se torne um vício, principalmente se for alimentado pela dificuldade ou fraqueza do outro.

Bjs,
Fabi Scaranzi

*Imagens: Pinterest


FAB PRODUÇÕES
BIOGRAFIA
PALESTRAS
APP VIVO MULHER
Stay Connected
Instagram
Instagram
Instagram
Instagram
Instagram
Instagram
Instagram
Instagram
Instagram
  • Mulheres muito além do salto alto
  • Albert Einstein
Fabiana Scaranzi
© Copyright 2017 - Fabiana Scaranzi. Todos os direitos reservados. O conteúdo deste site não pode ser reproduzido, distribuído, transmitido ou usado, exceto com a permissão prévia por escrito. Site by Miss Lily

Fabiana Scaranzi

Site feminino, com notícias, beleza, moda, saúde e bem-estar.

Coaching, Viagens, Vídeos, Como Fazer, Mundo Scaranzi

Por Fabiana Scaranzi

Miss Lily Comunicação